Slider[Style1]

Style2

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style5[ImagesOnly]

Style6

O deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC)Com um discurso inflamado, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Marco Feliciano (PSC-SP), ameaçou ontem uma rebelião da bancada evangélica caso o governo interfira na votação do projeto conhecido como “cura gay”. Ao negar que a aprovação da proposta na comissão tenha sido uma provocação aos manifestantes que tomam as ruas de vários estados, o deputado disparou ataques a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, que prometeu mobilizar o governo para evitar que a proposta avance na Casa. Feliciano recomendou “juízo para a dona ministra”, disse que ela “mexe onde não devia” e a aconselhou a procurar a presidente Dilma Rousseff porque “no próximo ano” tem eleições.
Ontem foi a vez de o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, seguir a posição de Maria do Rosário e criticar a aprovação do projeto de lei de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO) que permite a psicólogos oferecer tratamento para a homossexualidade. “Não é correto um projeto de lei querer estabelecer cura para aquilo que não é doença. Acredito que essa Casa, que fez a Constituição e o SUS (Sistema Único de Saúde), certamente (…) vai julgar que um projeto não pode estabelecer cura para aquilo que não é doença”, disse Padilha após encontro com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).
O texto precisa ainda passar pelas comissões de Seguridade Social e Constituição e Justiça. Padilha disse que conversou sobre o tema com os presidentes dos dois grupos e disse acreditar que a questão será tratada “de forma sensata” nelas.
Feliciano incluiu Padilha em suas ameaças. “Estamos sendo achincalhados. Quero saber se os ministros Maria do Rosário e Alexandre Padilha falam em nome da presidente Dilma. Se estiverem falando, vamos tomar providências. Estamos nos sentido rejeitados, agem por preconceito só porque somos evangélicos”, queixou-se ele, no plenário.
Antes, o aviso foi mais explícito: “Queria aproveitar e mandar um recado: dona ministra Maria do Rosário dizer que o governo vai interferir no Legislativo é muito perigoso. É perigoso, dona ministra, principalmente porque ela mexe com a bancada inteira”, afirmou. Segundo o deputado, Maria do Rosário deveria procurar a presidente Dilma  antes de falar. “A ministra falar que vai colocar toda a máquina do governo para impedir um projeto, acho que ela está mexendo onde não devia. Senhora ministra, juízo. Fale com a sua presidente porque o ano que vem é político”, completou.
Em 2010, um dos motivos apontados para a campanha presidencial ter ido para o segundo turno foi a onda de boatos entre eleitores religiosos contra Dilma.
Recurso O vice-líder da minoria na Câmara, o deputado federal Simplício Araújo (PPS-MA), ingressou ontem com recurso contra a aprovação da “cura gay”. No recurso ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), o parlamentar afirma que Feliciano usou de manobra antirregimental ao colocar em votação a proposta, atropelando o regimento.
Fonte: Diário de Pernambuco

Sobre João Andrade

João Eliezio Santos Andrade (João Andrade), Trindadense por natureza. Dono de um olhar altamente Futurista, nasceu na Cidade de Araripina - PE aos 11 de maio de 1995. João Andrade tem 11 irmãos todos Filhos de Maria Odetiza dos Santos Andrade e de Gerson Brando de Andrade. Desde criança sonhava em ser comunicador. Na escola era o líder dos protagonistas, hoje presidente da única Associação de Radiodifusão no município de Trindade, luta desde o ano de 2010 por uma Radio Comunitária para a população.
«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário

O espaço para comentários permite que aqueles que acessam este blog possam exprimir a sua opinião em relação ao tema tratado livremente de forma que não contenha qualquer tipo de crime, viole as leis do Brasil, divulgue produtos ou serviços e spams.

As opiniões expressas nos comentários não significam a posição do Blog João Andrade.