Slider[Style1]

Style2

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

Style4

Style5[ImagesOnly]

Style6

20/04/2016
Na condição de cidadão efetivamente conhecedor dos meus direitos e deveres explicitados na constituição brasileira venho por meio deste documento tornar público a minha indignação com a transgressão de danos morais por funcionário do Banco do Brasil (Agência 2737-5, Trindade-PE) e cobrar medidas punitivas cabíveis a situação desenvolvida. A Constituição Federal finca o respeito à dignidade da pessoa humana e sua intimidade, expressos no art. 5º, incisos III, V e X além do art. 6º no que se refere o direito à saúde (mental) da referida Carta Maior.

Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. III - ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desumano ou degradante; 

O dano moral caracteriza-se como a ofensa ou violação dos bens de ordem moral de uma pessoa, tais sejam o que se referem a sua liberdade, a sua honra, a sua saúde (mental ou física), a sua imagem. 

Diante disso, eu, Jonathan Misael Alencar Nascimento, relatarei o fato ocorrido no dia 19 de abril de 2016, aproximadamente às 10 horas e 30 minutos do turno matutino, que teve como vítima o meu progenitor – Jose Edes Nascimento –, esse que reside na mesma cidade do crime, e como agressor um bancário da agência 2737-5 do Banco do Brasil de Trindade-PE. 

O bancário, cujo nome não irei citar por princípios éticos, feriu a honra do meu procriador quando o pós em situação constrangedora e humilhante ao consumar o atendimento de indivíduos (clientes do banco) que não tinham senha de atendimento primária a do meu pai, isso apenas por esses correntistas serem de classe social mais favorecida que a do meu progenitor. Ademais, quando Jose Edes questionou tal funcionário, esse o humilhou ainda mais ao proferir que “eles (correntistas) são MEUS clientes (EXTRÍNSECOS ao Banco do Brasil) e EU sempre dou preferência aos MEUS clientes!”. Vale ressaltar, que a fim de diminuir ainda mais a pessoa do meu pai o agressor para mostrar arbitrariedade e autoritarismo convocou para atendimento outro elemento de senha posterior a de Jose Edes. 

Portanto, eu e minha família queremos que sejam tomadas as medidas punitivas cabíveis ao caso e que acontecimentos como esse não tornem a acontecer. 

Jonathan Misael Alencar Nascimento 
Garanhuns, 19 de abril de 2016


Sobre João Andrade

João Eliezio Santos Andrade (João Andrade), Trindadense por natureza. Dono de um olhar altamente Futurista, nasceu na Cidade de Araripina - PE aos 11 de maio de 1995. João Andrade tem 11 irmãos todos Filhos de Maria Odetiza dos Santos Andrade e de Gerson Brando de Andrade. Desde criança sonhava em ser comunicador. Na escola era o líder dos protagonistas, hoje presidente da única Associação de Radiodifusão no município de Trindade, luta desde o ano de 2010 por uma Radio Comunitária para a população.
«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Poste um Comentário

O espaço para comentários permite que aqueles que acessam este blog possam exprimir a sua opinião em relação ao tema tratado livremente de forma que não contenha qualquer tipo de crime, viole as leis do Brasil, divulgue produtos ou serviços e spams.

As opiniões expressas nos comentários não significam a posição do Blog João Andrade.